Available in

NAMPULA, Mozambique - When Cyclone Gombe hit the northern coast of Mozambique on the 11th of March, Nampula province was among the most heavily impacted regions. The cyclone caused widespread devastation, affecting more than 700,000 people. More than 60 people lost their lives (INGD). Since the beginning of the year, two large-scale natural disasters have hit the country, increasing vulnerability in the lives of those who often bear the brunt of disasters: women and girls.

In Nampula, Irlanda Ernesto, 32, a businesswoman selling agricultural products, was forced to temporarily close down her business due to flooding and impassable roads. Meanwhile, crops lay spoiling in fields.

“Before we used to hear of cyclones hitting every 10 years, but now how many do we expect in a year? We are tired of starting over." - Ms. Ernesto, a businesswoman affected by the cyclone

Among African countries, Mozambique is the third most prone to natural disasters (GAR 2019). In the last 42 years, 15 droughts, 20 floods and 26 tropical cyclones have been registered (INGD). Cyclone Gombe was the most recent to strike.

“We won't be able to live like this for much longer. We need to quickly do whatever it takes in relation to these cyclones,” warns Ms. Ernesto.

Nearly two-thirds of Mozambique’s workforce is linked to agriculture (AEA 2015), with the sector employing 90 per cent of national working-age women and girls (Fórum Mulher, 2019). Climate disasters have a direct impact on women and girls, making them more susceptible to food insecurity, poverty and gender-based violence, and increasing their dependency on male partners, family and landowners for their livelihoods.

The destruction of bridges and roads caused by Cyclone Gombe prevents trade and the transport of essential goods to some of Nampula's communities. Photo: UNICEF / Lara Longle

“Before we used to hear of cyclones hitting every 10 years, but now how many do we expect in a year? We are tired of starting over. We need some peace of mind, we want to continue with our lives,” shares Ms. Ernesto.

Climate change increases existing gender inequalities, leaving many women and girls at risk of displacement and in crowded or insecure living arrangements. It also disrupts health, referral and protection services that women and girls rely on, and increases school dropouts, and gender-based violence rates. For an equitable, inclusive and sustainable recovery, it is essential to place women and girls in central positions in the debate and decision-making around climate change.

Since 2019, the Spotlight Initiative in Mozambique has promoted women’s economic empowerment, the diversification of income sources for women and girls, and access to information on Gender-Based Violence (GBV), particularly in contexts of natural disasters. These actions have been increasing women's resilience to tragic climate events.

However, Ms. Ernesto´s question remains unanswered: how long must women continue to start over?

 

Financial independence and savings boost recovery from climate events

Sónia Gonçalves, 20, and nine other young women opened a hair salon in Mogovolas district, Nampula province. They were able to do this with the support of Ophavela, a civil society organization and partner of the Spotlight Initiative, who conduct training in business management and savings strategies. Armed with these new skills, Sónia and the others were equipped to get their business off the ground.

"Our salon was the first in the neighbourhood to be run by women. Since we rotate among the group, we maintain our jobs, study and take care of our children. Everything was going well for us, but then the cyclone came and destroyed everything. It took everything away," says Sónia.

"It seems that there is always something holding us back. It's sad to have to do everything again." - Agira Fernando, a business partner of the hair salon destroyed by the cyclone 

The few items that remain from the business now sit on the veranda of one of their parent's homes, where they work today.

"It is very sad. We had training and support, and everything was going well. We are going to have to work hard to recover from this. The savings we have will help, but everything we wanted to do is now delayed. I was saving money for my health degree but I cannot afford it now,” shares Sónia.

Targeted investment in education and job training for women and girls is a sustainable form of economic progress that reduces women's financial dependency and frees them from the risk of violence often associated with economic vulnerability. But this progress is jeopardized by climate change events, such as cyclones.

Agira, Anatércia, Estefânia and Sónia (with Miriam on her lap) will have to invest all their savings to restore their hair salon, which was destroyed by Cyclone Gombe. Photo: UNICEF/ Lara Longle

"One good thing about our group is that we can support each other. Today we don't accept violence in our lives because we don't depend on anyone anymore. But it seems that there is always something holding us back. Now it was the cyclone. I know it's a matter of time before we have the salon again, but it's sad to have to do everything again," shares Agira Fernando, 18, a salon business partner.

By 2021, with the support of the Spotlight Initiative, more than 9,000 women and girls were reached through economic empowerment programmes, many of whom, now affected by Cyclone Gombe, will have to invest their savings to get their businesses back on track.

 

Occupy new spaces in the labour market

Irlanda Ernesto, 32, started her business in 2020. She buys peanuts, cassava and corn from local women’s crops, and sells them in local markets in Piloto, a neighbourhood in Nampula City.

"Everything was destroyed. For those of us who depend on the land, this means that everything stops. Our lives have stopped." - Ms. Ernesto

"After the training and the initial investment for my business, my life was going well, it had taken off. Suddenly, I was stopped by (Cyclone) Gombe. Everything was destroyed, the fields were flooded or isolated, and the producers couldn't sell their products because we, the buyers, had no way to pass through the destroyed roads. For those of us who depend on the land, this means that everything stops. Our lives have stopped,” says Ms. Ernesto.

Ms. Ernesto is part of a women's group supported by Núcleo Todos Contra a Violência, one of the coordinating platforms for civil society organizations in Nampula and a partner of the Spotlight Initiative. She points out the importance of diversifying job opportunities for women given natural disasters continue to impact the lives of women who solely depend on agriculture as their main source of income.

 For Irlanda Ernesto, a businesswoman selling agricultural products, employment opportunities for women outside the agricultural sector are essential, but it must be based on a decision by women, not a response to climate disasters. Photo: UNICEF / Lara Longle

"These disasters don't bring everyone the same problems. For example, men have jobs and occupations that are mostly not dependent on the land. So they will always have bread on the table at the end of the month. We, the women, are the ones who are still very much tied to the land. I see that the lives of the women in my group with other businesses were also affected, but not all of them had to stop, and that is good. Doing different things also helps us in these moments, when some go without, others can lend a hand," shares Ms. Ernesto.

Ms. Ernesto believes that her next business venture should be strategic instead of fear-based: "To have another business should be my decision and not a solution to solve my life problems when these cyclones come. Having other businesses is good, but the most important thing is to do something to stop these storms," Ms. Ernesto says.

Since 2019, the Spotlight Initiative has been training women in different vocational areas to provide women with choices based on employment opportunities and areas of interest, such as electronics, mechanics, metalworking, gastronomy or baking, or cutting and sewing. Access to different vocational areas for women and girls also contributes to changing harmful norms that typify professions by gender.

 

Information and knowledge as sustainable resources against GBV and climate change

"We want to know more about this climate change. Our women's group was very much affected by the cyclone. We can discuss and think of solutions if we know more about it," explains Estefânia Eduardo, 34, the Women's Group leader from the Piloto neighbourhood in Nampula City.

During conflict or natural disasters contexts, women are the first to lose their property and jobs. During Cyclone Gombe, Joana Chirome had to take shelter with her children in a neighbour's house; when she returned home, all her belongings had been stolen. Photo: UNICEF /Lara Longle

The Piloto Women's Group is one of more than a 100 women's organizations supported by the Spotlight Initiative that has received training in advocating for women's and girls' rights, and for preventing and eliminating gender-based violence. The group, initially formed with the support of the civil society organization Ophenta, meets weekly to discuss different topics, refer cases of GBV, and raise awareness among communities via health centres and through door-to-door campaigns.

Almost all of the 53 women in the group were affected by Cyclone Gombe. The rain and winds destroyed their houses and many of them were robbed on the very night of the cyclone, losing their food and goods. Joana Chirome was one of them.

"My neighbour's house broke and fell onto my house. I had to go with my five children inside another neighbour's house because mine was fragile. When I came back to my house, my food and clothes were gone. The house was empty. They took the oil that I use for my food business. I am a widow, I only rely on myself, and now I am left without a source of income," says Ms. Chirome.

During times of conflict or natural disasters, women are the first to lose their assets and jobs, and girls are at higher risk of dropping out of school (UNITE). Stories like Ms. Chirome's are told by many other women in the Piloto neighbourhood.

"We are not ignorant, we just need information. We need to know more about the climate and do something about it." - Ms. Eduardo, Women's Group leader from the Piloto neighbourhood

Action-orientated and with a sense of urgency to support the women in her community, Estefânia asks for support. "We have learnt many things about gender-based violence. We are not ignorant, we just need information. We need to know more about the climate and do something about it. It is affecting us too; it is also a type of violence for us," Ms. Eduardo concludes.

The Spotlight Initiative supported the "Linha Verde  - 1458", a hotline funded and implemented by the United Nations World Food Programme, and supported by other UN agencies, which is used by crisis-affected communities. This vital hotline provides information from trained professionals and also helps refer survivors of gender-based violence to available services. Since the beginning of 2022, the Spotlight Initiative has been working with the International Union for Conservation of Nature (IUCN), and taking on climate change as a focal theme.

While these programmes have demonstrated substantial results, climate change is a neutralizer impacting the lives of women and girls. And as one of the most climate-prone countries on the continent, women and girls in Mozambique are no exception: they are in the midst of a climate emergency and are demanding immediate action.

The Spotlight Initiative is a global initiative of the United Nations which has received generous support from the European Union. Its aim is to eliminate all forms of violence against women and girls. In Mozambique, the Spotlight Initiative is led by the Ministry of Gender, Children and Social Action (MGCAS) in partnership with the United Nations and civil society organizations (CSOs).

By Lara Longle

Language: 
Portuguese, International
Title: 
“Estamos fartas de recomeços, precisamos de tranquilidade” - como as alterações climáticas atingem as mulheres e as raparigas em Moçambique
Body: 

NAMPULA, Moçambique - O ciclone Gombe atingiu a costa norte de Moçambique no dia 11 de Março. Estima-se que, no total, o ciclone tenha afectado mais de 700 mil pessoas. Mais de 60 pessoas perderam a vida (INGD). Desde o início do ano, dois desastres naturais de grande escala atingiram o país, aumentando a vulnerabilidade da vida das mulheres e raparigas moçambicanas.

Em Nampula, Irlanda Ernesto, 32, uma empresária de produtos agrícolas, ficou com o seu negócio parado. As machambas ficaram alagadas, as estradas intransitáveis. Os produtos estão a estragar-se no campo.

"Antes ouvíamos falar de ciclones a cada dez anos, agora quantos temos num ano? Estamos fartas de recomeços." - Sra. Irlanda, empresária de produtos agrícolas afectada pelo ciclone 

Moçambique é o terceiro país africano mais vulnerável ao risco de catástrofes naturais (GAR 2019). Nos últimos 42 anos, registaram-se 15 secas, 20 inundações e 26 ciclones tropicais (INGD). O último foi o ciclone Gombe.

“Não vamos conseguir viver assim muito tempo. Temos de fazer qualquer coisa rápido em relação a estes ciclones”, alerta a Sra. Irlanda. Cerca de dois terços da força de trabalho de Moçambique estão ligados à agricultura (AEA 2015), o sector ocupa mais de 90 por cento das mulheres e raparigas moçambicanas em idade activa (Fórum Mulher, 2019). Os desastres naturais têm um impacto directo na vida das mulheres e raparigas, tornando-as mais susceptiveis à insegurança alimentar, à pobreza e à violência baseada no género, e aumentando a sua dependência de parceiros masculinos, familiares e proprietários de terras.

A destruição de pontes e estradas provocada pelo ciclone Gombe, impede o comércio e o transporte de bens essenciais para algumas das comunidades de Nampula. Fotografia: UNICEF/Lara Longle

“Antes ouvíamos falar de ciclones a cada dez anos, agora quantos temos num ano? Estamos fartas de recomeços, precisamos de tranqulidade, queremos continuar com a nossa vida”, partilha a Sra. Irlanda.

As alterações climáticas aumentam as desigualdades de género existentes, deixando muitas mulheres e raparigas em risco de perderem as suas casas, de enfrentarem situações de co-habitação insegura, disrupções nos serviços de saúde e de protecção, abandono escolar, e de violência baseada no género. Para uma recuperação equitativa, inclusiva e sustentável, é essencial colocar as mulheres e as raparigas em posições centrais no debate e na tomada de decisões relativas às alterações climáticas.

Desde 2019, a Iniciativa Spotlight em Moçambique promove o empoderamento económico, a diversificação de fontes de rendimento para as mulheres e raparigas, e o acesso a informação sobre Violência Baseada no Género (VBG), nomeadamente em contextos de desastres naturais. Acções que têm vindo a aumentar a resiliência das mulheres aos choques climáticos.

Mas a pergunta da Sra. Ernesto ecoa: até quando terão as mulheres que recomeçar?

 

Independência financeira e poupanças impulsionam a recuperação de choques climáticos

Sónia Gonçalves, 20, e mais nove raparigas abriram um cabeleireiro no distrito de Mogovolas, província de Nampula. O grupo de jovens mulheres contou com o apoio da Ophavela, uma organização da sociedade civil da rede de parceiros  da Iniciativa Spotlight, que as formou em gestão de negócios, estratégias de poupança e no novo ofício, e forneceu-lhes ainda o material necessário para arrancarem com o seu negócio.

“O nosso salão foi o primeiro do bairro a ser gerido e a empregar mulheres. Como trabalhamos com um sistema de escalas, podemos ter o nosso emprego, estudar e cuidar dos nossos filhos. Estava tudo a correr-nos bem, mas chegou o ciclone e devorou tudo. Levou tudo”, conta Sónia.

"Parece que há sempre qualquer coisa a atrasar-nos. É triste ter de fazer tudo outra vez." - Agira Fernanda, sócia do cabeleireiro destruído pelo ciclone 

Os materiais que restaram, estão agora na varanda da casa dos pais de uma das jovens mulheres, onde hoje  trabalham.

“É muito triste. Tínhamos tido formação e apoio e estava tudo a correr-nos bem. Vamos ter de trabalhar muito para recuperarmos disto. A poupança que fizemos juntas vai ajudar, mas todas as coisas que queríamos fazer ficam atrasadas. Eu estava a juntar dinheiro para o meu curso na área de saúde, e agora já não tenho condições”, partilha  Sónia.

O investimento direccionado para a criação e gestão de negócios e empregos para mulheres e raparigas é uma forma sustentável de progresso económico, que reduz a sua dependência financeira e liberta-as do risco de violência, muitas vezes associado à vulnerabilidade económica. Mas este progresso é comprometido por acontecimentos relacionados com as alterações climáticas, tais como os ciclones.

Agira, Anatércia, Estefânia e Sónia (com Miriam ao colo) vão ter que investir todas as suas poupanças para a recuperação do seu cabeleireiro, que foi destruído pelo ciclone Gombe. Fotografia: UNICEF/Lara Longle

“Uma coisa que o nosso grupo tem de bom é podermos apoiar-nos umas às outras. Hoje não aceitamos violência na nossa vida porque já não dependemos de ninguém. Mas parece que há sempre qualquer coisa a atrasar-nos, agora foi o ciclone. Eu sei que é uma questão de tempo até termos o salão outra vez, mas é triste ter de fazer tudo outra vez”, partilha Agira Fernando, 18, sócia do cabeleireiro.

Em 2021, com o apoio da Iniciativa Spotlight, mais de 9.000 mulheres e raparigas foram alcançadas por programas de empoderamento económico, muitas das quais, agora afectadas pelo ciclone Gombe, terão de investir todas as suas poupanças na recuperação dos seus negócios.

 

Ocupar novos espaços no mercado de trabalho

Irlanda Ernesto, 32, começou o seu negócio em 2020. Compra amendoins, mandioca e milho a mulheres com machambas, e vende-os nos mercados locais de Piloto, bairro da cidade de Nampula.

"Ficou tudo destruído. Para quem depende da terra como nós, isto significa parar tudo. Temos a vida parada." - Sra. Irlanda 

“Depois da formação e do investimento inicial para o meu negócio, a minha vida estava a correr bem, tinha arrancado. E de repente fui parada pelo (ciclone) Gombe. Ficou tudo destruído. As machambas ficaram alagadas ou isoladas, e as produtoras não conseguem vender os produtos porque nós, as compradoras, não temos como passar nas estradas, que ficaram destruídas. Para quem depende da terra como nós, isto significa parar tudo. Temos a vida parada”, conta a Sra. Ernesto.

Inserida num grupo de mulheres apoiado pelo Núcleo Todos Contra a Violência, uma das plataformas coordenadora das organizações da sociedade civil de Nampula, parceiro da Iniciativa Spotlight, a Sra. Irlanda aponta a importância da diversificação de emprego para as mulheres, e reforça o quanto os desastres impactam a vida das mulheres que dependem da agricultura como principal meio de subsistência.

Para Irlanda Ernesto, empresária de produtos agrícolas, as oportunidades de emprego para as mulheres fora do sector agrícola é essencial, mas deve ter por base uma decisão das mulheres, e não uma resposta aos desastres climáticos. Fotografia: UNICEF/Lara Longle

“Estes desastres não trazem a todos os mesmos problemas. Por exemplo, os homens têm trabalhos e ocupações que, na maioria das vezes, não dependem da terra. Então eles vão ter sempre o pão deles ao fim do mês. Nós, as mulheres, é que ainda estamos muito ligadas à terra. Eu vejo que a vida das mulheres do meu grupo com outros negócios também foram afectadas, mas nem todas tiveram de parar. Isso é bom, fazermos coisas diferentes também nos ajuda nestes momentos, quando umas não têm, outras podem dar uma ajuda”, partilha a Sra. Irlanda.

Para a Sra. Irlanda ter outro negócio devia ser uma decisão estratégica, e não um medo. “Escolher ter outro negócio devia ser uma decisão minha e não uma solução para resolver a vida quando chegam estes ciclones. Termos outros negócios é bom, mas o mais importante mesmo é fazer qualquer coisa para acabar com estas tempestades”, desabafa.

Desde 2019, a Iniciativa Spotlight tem vindo a formar mulheres em diferentes áreas vocacionais, como electricidade, mecânica, metalurgia, gastronomia ou padaria, ou corte e costura, promovendo a diversificação de ocupações profissionais pelas mulheres e raparigas, e aumentando as suas opções de escolhas profissionais e o seu retorno financeiro. O acesso a diferentes áreas vocacionais por parte das mulheres e raparigas, contribui também para a alteração das normas nocivas que tipificam as profissões por género.

 

Informação e conhecimento como recursos sustentáveis contra a GBV e as alterações climáticas

“Nós queremos saber mais sobre estas alterações climáticas. O nosso grupo de mulheres foi muito afectado pelo ciclone, se soubermos mais, podemos discutir e pensar em soluções”, explica Estefânia Eduardo, 34, líder do Grupo de Mulheres do bairro de Piloto, na cidade de Nampula.

Durante contextos de conflito ou desastres naturais, as mulheres são as primeiras a perder os seus bens e empregos. Durante o ciclone Gombe, Joana Chirome teve de abrigar-se com os seus filhos na casa de uma vizinha; quando regressou à sua casa, todos os seus bens tinham sido roubados. Fotografia: UNICEF/Lara Longle

O Grupo de Mulheres de Piloto é uma das mais de 100 organizações de mulheres apoiadas pela Iniciativa Spotlight que receberam formação para a defesa dos direitos das mulheres e raparigas, e para a prevenção e eliminação da Violência Baseada no Género. O grupo, formado incialmente com o apoio  da organização da sociedade civil Ophenta, encontra-se semanalmente para debater vários temas, fazendo encaminhamento de casos de VBG e organizando campanhas informativas porta-a-porta e em centros de saúde.

Quase todas as 53 mulheres do grupo foram afectadas pelo ciclone Gombe. A chuva e os ventos destruíram as suas casas parcial ou totalmente, e muitas delas foram roubadas na própria noite do ciclone, ficando sem os seus alimentos e bens. Joana Chirome foi uma delas.

“A casa da minha vizinha partiu-se e caiu para a minha casa. Tive de sair com os meus cinco filhos para a casa de outra vizinha, porque a minha estava muito fraca. Quando voltei à minha casa, já não tinha a minha comida, a minha roupa, a casa estava toda vazia. Levaram também o óleo que uso para o meu negócio de comidas. Sou viúva, só conto comigo mesma, e agora fiquei sem sustento”, conta a Sra. Joana.

Durante contextos de conflitos e desastres naturais, as mulheres são as primeiras a perder os seus bens e empregos, e o risco de abandono escolar por parte das raparigas aumenta (UNITE). Histórias como a da Sra. Joana são  contadas por muitas outras mulheres do bairro de Piloto.

"Não somos ignorantes, só precisamos de informação. Precisamos de saber mais sobre o clima e fazer qualquer coisa." - Sra. Estefânia, líder do Grupo de Mulheres do bairro de Piloto

Orientada para a acção, e com um sentido de urgência para apoiar as mulheres da sua comunidade, a Sra. Estefânia pede apoio. “Aprendemos muitas coisas sobre Violência Baseada no Género. Nós não somos ignorantes, só precisamos de informação. Precisamos de saber mais sobre o clima e fazer qualquer coisa, ele também nos está a afectar, também é uma violência para nós”, conclui a Sra. Estefânia.

A Iniciativa Spotlight apoiou a “Linha Verde - 1458”, uma linha telefónica financiada e implementada pelo Programa Mundial para a Alimentação (PAM), e apoiada por outras entidades das Nações Unidas, que é utilizada pelas populações afectadas por crises, incluindo desastres naturais, para pedidos de informação e assistência, oferecendo também vias de encaminhamento para as sobreviventes de VBG durante as crises climáticas. Desde 2022, a Iniciativa Spotlight está a trabalhar com a União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN), e a colocar as alterações climáticas como um dos seus temas centrais.

Embora os resultados substanciais demonstrados por estas iniciativas, as alterações climáticas são um neutralizador na vida das mulheres e raparigas. A viver num dos países do continente mais propenso a desastres naturais, as mulheres e raparigas moçambicanas não são excepção: estão a viver uma emergência climática e pedem acções imediatas.

A Iniciativa Spotlight é uma iniciativa global das Nações Unidas que tem recebido o apoio generoso da União Europeia. O seu objectivo é o de eliminar todas as formas de violência contra as mulheres e raparigas. Em Moçambique, a Iniciativa Spotlight é liderada pelo Ministério do Género, Criança e Acção Social (MGCAS) em parceria com as Nações Unidas e organizações da sociedade civil (OSC).

 

Por Lara Longle

Image caption: 

A casa de Madalena António, na cidade de Nampula, foi parcialmente destruída pelo ciclone Gombe. Quando saiu de casa para pedir apoio, os seus bens foram roubados, e com eles, o material que usava no seu negócio. Madalena vive agora com o apoio do Grupo de Mulheres do Bairro de Piloto e o dos seus vizinhos. Foto: UNICEF/ Lara Longle