Available in

MAPUTO, Mozambique - The COVID-19 crisis brought new challenges to women and girls around the world. Many countries recorded a surge in domestic violence, resulting from economic pressure, confinement and increased tensions in the household. 

In pre-pandemic Mozambique, one in three women suffered violence during their lives. But in the past two years, extreme weather events such as recurring cyclones, droughts and uneven rains have compounded the situation and led to loss of livelihoods, placing an additional burden on women and girls. 

Together, implementing partners have reached more than 1.9 million people, of which over 1.1 million are women and girls.

Despite these many challenges, the Government of Mozambique, civil society organizations, and the United Nations (UN) continue working together to end violence against women and girls, through the EU-funded Spotlight Initiative.

On International Women’s Day, we take stock of progress and challenges in achieving a Mozambique where every woman and girl can live a life free from violence.

The Spotlight Initiative - changing lives

The Spotlight Initiative, which is led by the Ministry of Gender, Child and Social Action (MGCAS), was launched in the country two years ago in March 2019 and is being implemented in Gaza, Nampula and Manica provinces over a four-year period (2019-2022). With a $40 million commitment by the EU, the programme focuses on the priority areas of ending sexual and gender-based violence (GBV), eliminating child marriage, and promoting women and girls’ sexual and reproductive health (SRH). 

Community activists Sandra Waluza, Saroya da Cruz and Júlia Lembane pose for a photograph during a training session. Photo: LUARTE/Etevaldo Orlando Jack

Government institutions from the social welfare, health, justice and police sectors are the backbone of the Spotlight Initiative in Mozambique, along with over 20 civil society organizations (CSOs). Together, they have reached more than 1.9 million people, of which over 1.1 million are women and girls.

The achievements of the Spotlight Initiative in Mozambique can be seen in the stories of Amina*, Dalva, Denardina, Guidion, Helena, Isaura*, Maria* and Selma* - women, girls and men whose lives were changed by the programme over the past two years.

Justice and care for survivors of violence

Isaura*, from Manica province, was raped when she was just 11 years old. Her family reported the case to LeMuSica, a local CSO, which in turn took Isaura to the Family and Minors Victims of Violence Assistance Office. She was admitted to hospital where she received life-saving care, and afterwards referred to a womens’ shelter, where she is still recovering from the trauma with  support from trained social workers. After the case was referred to the police, the aggressor was found and sentenced to 19 years in prison by the Manica Provincial Court.

This is a successful example of a GBV case resolved by the Mozambican justice system. Unfortunately, for each case resolved, many others are never reported, filed or are withdrawn for lack of evidence. 

With support from the Spotlight Initiative, the government is training service providers and strengthening national institutions to ensure that reported cases of GBV are properly followed up, survivors protected and perpetrators held responsible.

In 2020, police school curricula were improved to include GBV prevention, HIV and human rights as part of cadets’ training. Key institutions such as the Supreme Court, the Attorney General’s Office and the Criminal Investigation Service have established specific Gender Units. 

Over 1,000 staff from the justice sector are now trained to enforce a new package of laws approved by the National Parliament to protect women and girls from violence. This improved the capacity of formal justice to respond to GBV cases and hold perpetrators to account. 

Ending child marriage 

Selma*, from Gaza Province, was forced to marry when she was 17 and became pregnant shortly after. Community activists working with CSO Kutenga identified her case and persuaded both families to cancel the union. The families were initially reluctant to do so and it became clear that they did not know about the new law prohibiting child marriage until the police became involved. 

With the help of Kutenga activists, the families understood the law and the severe consequences that the marriage could have in Selma’s life and decided to cancel the marriage. Selma is now back living with her family and learning to run her own business with the help of Gender Links, a CSO supported by the programme.

Male activists like Guidion have formed a youth group to educate their community on gender-based violence. Photo: UN/Ricardo Franco

Guidion, 26, is a young man from Nampula who received training on women’s rights, GBV and child marriage prevention by the civil society organisation Ophenta. He used to date girls under 18 but after the training he realized that he could be inadvertently violating their rights and placing them in danger. He became an activist, helping his community prevent GBV.  

His newfound knowledge has had a further impact on his own family. When it was announced that Guidion’s 14-year-old sister was about to be married, Guidion strongly opposed the decision. He told their father that it was against the law and that his sister’s life would be hampered by an early marriage. His father listened to him, cancelling the marriage and allowing Guidion’s sister to continue her studies. 

An estimated 3 million people have been educated about the new law against child marriage.

In late 2019, the Mozambican Parliament approved a new law criminalizing unions with minors (those under 18 years of age). This was the culmination of years of efforts by the Government, civil society and rights-based organizations, concerned that almost half of girls in Mozambique marry before 18 – one of the highest child marriage rates in the world.

Under the leadership of MGCAS, the programme is working with public institutions and civil society to make this law known to communities across the country. An estimated three million people have been educated about the new law, along with critical information on GBV prevention and COVID-19, through a combination of community outreach and radio programmes to communities, civil society, government staff and traditional leaders. Joint work between these stakeholders has led to 15 girls being removed from child marriages in the past year.

Innovating to prevent GBV during the pandemic

“Innovation and creativity are essential in the response to this crisis”, said the EU Ambassador in Mozambique, Antonio Sánchez-Benedito Gaspar, after the Government of Mozambique announced measures to slow the spread of COVID-19 and the programme adapted to the new reality. 

On the same occasion, Myrta Kaulard, the UN Resident Coordinator in Mozambique said that the UN would “continue fighting violence and promoting gender equality and sustainable development - the most effective weapons against COVID-19”. 

To continue reaching the most vulnerable women and girls, Spotlight Initiative partners adopted innovative strategies:

Community activists take to the streets with megaphones to educate communities on gender-based violence prevention. Photo: Ophenta

Denardina, 26, works as a community activist in Nampula with CSO Ophenta. Before the pandemic, her organization used to run door-to-door and public transport campaigns, organizing group debates and street theatre to educate communities on GBV prevention. Today, Denardina and her fellow activists take to the streets with megaphones, spreading messages on preventing and reporting GBV. Activists share phone numbers for hotlines and distribute leaflets to inform women about where to find help if they experience violence. WhatsApp is also used as a tool to disclose cases of violence. Since the programme started, civil society partners have reached over 900,000 people at the community level with the help of local organizations such as Denardina’s.

With schools closed and access to services disrupted due to COVID-19, women and girls are at higher risk of violence but have fewer opportunities to confide in someone or report abuse. Existing hotlines and free SMS services such as Linha Fala Criança (a child helpline), Linha Verde (an emergency hotline) and SMS Biz (a free sms platform) were quickly strengthened and their staff trained to handle GBV cases. 

These services are now available to women and girls in all programme target areas which allows them to report GBV cases safely and quickly. Trained operators like Dalva, 29, from Maputo, save lives by helping youth prevent unplanned pregnancies, HIV transmission and child marriage.

Better services and better data 

Responding to the need to improve the quality of services for GBV survivors, the Spotlight Initiative supports the government in making significant investment in these services.

In 2020 six mobile clinics were deployed to provide GBV, SRH and basic health services as well as information and referrals to remote populations. This is estimated to have reached over 19,000 people. Nine youth-friendly health services and three one-stop centres for GBV survivors and were rehabilitated, furnished and equipped.

Service provider collects patient data in a mobile clinic in the district of Chongoene, Gaza Province. The mobile clinics are critical for women and girls who are unable to access nearby services and facilities. Photo: UNFPA Mozambique

 

The programme has also improved awareness and access to GBV, SRH and counselling services, having benefitted over 400,000 people. To ensure the quality of these services, over 2,000 government staff were trained on integrated GBV services and legislation. 

Over 400,000 people have benefited from expanded GBV response, SRH and counselling services.

When Amina*, 14, was raped, she contacted a local CSO working on GBV response in Nampula who referred her case to a one-stop centre for GBV survivors. Once there, an integrated team of trained health staff, social workers, police and justice staff helped Amina. She was supported without having to retell her story or revisit her trauma multiple times. The team registered her case in a single file and kept it confidential. They also referred Amina to a hospital where she received vital care. 

The justice services followed up on her case and, as a result, Amina’s aggressor was sentenced to twelve years in prison. “When people take their case to a one-stop centre, they can solve it without any problem,” said Amina. There are 24 of these centres in Mozambique, and the Spotlight Initiative has helped to rehabilitate three of them.

Carmen Omar, a social worker and coordinator at the Nampula one-stop centre, speaks with a maternal and child health nurse in the health department room, where survivors are assessed and receive medical treatment. UNFPA / Roberto Manjate

To collect better data, the government piloted InfoViolência, a new software package to manage cases of GBV. This software provides important insights on GBV trends which contributes to prioritizng interventions, policies, and budgets in areas where women and girls need them most.

Empowering civil society

CSOs have been central in educating communities about practices that discriminate against women and girls. With Spotlight Initiative support, over 40 women’s organizations in Mozambique have been strengthened to advocate for women’s rights. CSOs have also formed 14 platforms at district and province levels, which further allow over 57 community-based organizations to learn, share experiences and refer GBV cases to local authorities, often using WhatsApp to speed up referrals.

Some of these organizations work to teach vulnerable women about entrepreneurship, savings and access to loans. Over 1,800 of these women received training and now run their own small businesses. 

“I have learned to make soap using natural products that I can find where I live, which reduces my production costs,” said Helena, a young woman from Manica Province. She learned how to run a small business with the support of a Spotlight Initiative-supported CSO and now makes a living selling soap.

Having access to and control of their resources gives these women decision-making power over their lives, helping to prevent economic dependency and abuse.

A stronger partnership 

Civil society activist raises awareness on gender-based violence during a street campaign. Photo: ASCHA

Some challenges remain: civil society and government institutions responding to GBV are getting stronger, but coordination and logistics across the vast country remain challenging. Shifting mentalities and behaviour towards women’s and girls’ rights takes time, but remains critically important. To this end, a strengthened partnership between the Government of Mozambique, the EU, the UN and civil society is crucial. 

The Spotlight Initiative continues to support women like Maria*, 25, from Manica, who was beaten by her partner while pregnant. With help from community activists, Maria found safety in a women’s shelter supported by the programme. Here, she has not only found protection but also learned that survivors have choices when they are supported. “I can approach another woman and tell her that she does not need to suffer. I have learned that we can report abuse because if we don’t speak up, violence will never end.”

The stories of Amina, Dalva, Denardina, Guidion, Helena, Isaura, Maria and Selma remind us that violence against women and girls can be challenged. Attitudes and mindsets can be changed.

Under the Government’s leadership, together with civil society, the Spotlight Initiative continues working hand in hand with men and boys, women and girls, towards a Mozambique where every woman and girl can live a life free from violence.

*names were changed to protect the privacy of survivors

Language: 
Portuguese, International
Title: 
Libertando as mulheres e as raparigas da violência em Moçambique
Body: 

MAPUTO, Moçambique - A crise da COVID-19 trouxe novos desafios para mulheres e raparigas em todo o mundo. Muitos países registaram um aumento nos casos de violência doméstica, em resultado de pressões económicas, confinamento e aumento de tensões no lar.

Em Moçambique, já antes da pandemia, uma em cada três mulheres sofria violência durante a vida. Mas nos últimos dois anos, eventos climáticos extremos, tais como ciclones, secas e chuvas irregulares agravaram a situação e levaram à perda de meios de subsistência, colocando um peso adicional sobre as mulheres e raparigas.

De forma conjunta, os parceiros alcançaram mais de 1.9 milhões de pessoas, entre os quais mais de 1.1 milhões de mulheres e raparigas.

Apesar dos múltiplos desafios, o Governo de Moçambique, as organizações da sociedade civil (OSCs) e as Nações Unidas (ONU) continuam a trabalhar em conjunto para eliminar a violência contra as mulheres e raparigas, através da Iniciativa Spotlight, financiada pela União Europeia (UE).

No Dia Internacional da Mulher, fazemos um balanço dos progressos e desafios para alcançar um Moçambique onde todas as mulheres e raparigas possam viver uma vida livre de violência.

A Iniciativa Spotlight – mudando vidas 

A Iniciativa Spotlight, que é liderada pelo Ministério do Género, Criança e Acção Social (MGCAS), foi lançada no país há dois anos, em Março de 2019, e é implementada nas províncias de Gaza, Manica e Nampula por um período de quatro anos (2019-2022). Com um compromisso de 40 milhões de dólares da UE, o programa foca-se nas áreas prioritárias de combate à violência sexual e baseada no género (VBG) e às uniões prematuras, bem como na promoção da saúde sexual e reprodutiva (SSR) das mulheres e raparigas.

Activistas comunitárias Sandra Waluza, Saroya da Cruz and Júlia Lembane durante uma sessão de formação sobre a prevenção da VBG. Foto: LUARTE/Etevaldo Orlando Jack

As instituições governamentais dos sectores da acção social, saúde, justiça e polícia constituem o alicerce da Iniciativa Spotlight em Moçambique, juntamente com mais de 20 OSCs. De forma conjunta, estes parceiros alcançaram mais de 1.9 milhões de pessoas, entre os quais mais de 1.1 milhões de mulheres e raparigas, nos últimos dois anos.

As conquistas da Iniciativa Spotlight em Moçambique podem ser observadas através histórias da Amina *, da Dalva, da Denardina, do Guidion, da Helena, da Isaura *, da Maria * e da Selma * - mulheres, raparigas e homens cujas vidas foram transformadas pelo programa.

Justiça e apoio para sobreviventes de violência

A Isaura*, natural da província de Manica, foi vítima de violência sexual quando tinha apenas 11 anos. A sua família denunciou o caso à LeMuSica, uma OSC local, que por sua vez levou Isaura ao Gabinete de Atendimento à Família e Menores Vítimas de Violência (GAFMVV) mais próximo. A Isaura foi internada num hospital, onde recebeu cuidados essenciais, sendo depois encaminhada para um abrigo para mulheres, onde ainda permanece para recuperar do trauma, com o apoio de assistentes sociais. O caso foi encaminhado para a polícia, o agressor foi encontrado e condenado a 19 anos de prisão pelo Tribunal Provincial de Manica.

Este é um exemplo de sucesso de um caso de VBG resolvido pelo sistema de justiça moçambicano. Infelizmente, por cada caso resolvido, muitos outros nunca são denunciados, são retirados ou arquivados por falta de provas.

Com o apoio da Iniciativa Spotlight, o governo está a capacitar provedores de serviços e a fortalecer as instituições nacionais, para garantir que os casos de VBG denunciados sejam devidamente acompanhados, as sobreviventes protegidas e os perpetradores responsabilizados.

Em 2020, os currículos das escolas de polícia foram revistos para incluir a prevenção da VBG, HIV/SIDA e direitos humanos como parte da formação dos cadetes. Instituições-chave, como o Tribunal Supremo, a Procuradoria Geral da República e o Serviço Nacional de Investigação Criminal estabeleceram Unidades de Género específicas.

Mais de 1.000 funcionários do sector da justiça foram treinados para implementar um novo pacote de leis aprovado pela Assembleia da República, que protege as mulheres e as raparigas da violência. Isto garante uma melhor capacidade da justiça formal para responder a casos de VBG e responsabilizar os perpetradores.

Eliminando as uniões prematuras

A Selma*, natural da província de Gaza, foi forçada a casar-se quando tinha 17 anos, engravidando pouco tempo depois. Activistas comunitários que trabalham com a OSC Kutenga identificaram o caso e persuadiram ambas as famílias a cancelar a união. Ao início, as famílias ofereceram resistência, e ficou claro que estas ainda não conheciam a nova lei que criminaliza as uniões prematuras, até que a polícia se envolveu.

Com a ajuda dos activistas da Kutenga, as famílias entenderam a lei e as graves consequências que a união poderia ter na vida da Selma, e finalmente cancelaram a união. Hoje, a Selma vive com a sua família e a aprendeu a gerir o seu próprio negócio com a ajuda da Gender Links, uma OSC apoiada pelo programa.

Jovens como o Guidion formaram um grupo  de activistas e hoje educam a sua comunidade a prevenir a VBG e as uniões prematuras. Foto: UN/Ricardo Franco

O Guidion é um jovem de 26 anos da província de Nampula, que foi formado sobre os direitos das mulheres, prevenção da VBG e uniões prematuras pela OSC Ophenta. Ele costumava namorar com raparigas menores de 18 anos. Após a formação, ele entendeu que poderia estar a violar os direitos destas raparigas, e inadvertidamente colocando-as em perigo. O Guidion tornou-se um activista, e hoje ajuda a sua comunidade a prevenir a VBG.

Este seu novo conhecimento teve um impacto adicional na sua própria família. Quando foi anunciado que a irmã do Guidion, de apenas 14 anos, estava prestes a casar-se, Guidion opôs-se firmemente à decisão. Ele explicou ao pai que a união era contra a lei e que a vida da sua irmã seria prejudicada por esta união prematura. O seu pai ouviu-o, cancelou a união e permitiu que sua filha continuasse a estudar.

Estima-se que 3 milhões de pessoas tenham já sido sensibilizadas sobre a nova lei contra as uniões prematuras.

No final de 2019, a Assembleia da República aprovou uma nova lei que criminaliza as uniões prematuras (com menores de 18 anos). Este foi o culminar de anos de esforços por parte do Governo, da sociedade civil e de organizações baseadas nos direitos, que estavam preocupados com o facto de quase metade das raparigas em Moçambique casar antes dos 18 anos – uma das taxas de uniões prematuras mais elevadas do mundo.

Sob a liderança do MGCAS, o programa trabalha com instituições públicas e com a sociedade civil para divulgar esta nova lei às comunidades de todo o país. Estima-se que 3 milhões de pessoas tenham já sido sensibilizadas sobre a nova lei. Estas pessoas receberam também informação crítica sobre a prevenção da VBG e da COVID-19, através de acções de mobilização comunitária, programas radiofónicos, palestras com a sociedade civil, funcionários do governo e líderes tradicionais. O trabalho conjunto entre estas partes levou ao resgate de 15 raparigas de uniões prematuras no ano passado.

Inovando para prevenir a VBG durante a pandemia

“A inovação e a criatividade são essenciais na resposta a esta crise”, afirmou o Embaixador da UE em Moçambique, Antonio Sánchez-Benedito Gaspar, quando o Governo de Moçambique anunciou medidas para abrandar a propagação da COVID-19 e o programa teve ser adaptado à nova realidade.

Na mesma ocasião, Myrta Kaulard, Coordenadora Residente da ONU em Moçambique, disse que a ONU iria “continuar a combater a violência e a promover a igualdade de género e o desenvolvimento sustentável – as armas mais eficazes contra a COVID-19”. Para continuar a alcançar as mulheres e raparigas mais vulneráveis, os parceiros da Iniciativa Spotlight adoptaram estratégias inovadoras:

Activistas comunitárias realizam campanhas com megafones para sensibilizar as comunidades sobre a VBG, as uniões prematuras e a COVID-19. Foto: Ophenta

A Denardina, de 26 anos, trabalha como activista comunitária na cidade de Nampula, com a OSC Ophenta. Antes da pandemia, esta organização costumava organizar campanhas porta-a-porta e em transportes públicos, organizando também grupos de debate e sessões de teatro de rua para educar as comunidades sobre a prevenção da VBG. Devido à COVID-19, estas activistas agora caminham ou conduzem através dos bairros da Cidade de Nampula com megafones, disseminando mensagens sobre prevenção e denúncia da VBG e uniões prematuras. Durante as campanhas, as activistas partilham os contactos das linhas de apoio e distribuem folhetos para informar as mulheres sobre onde encontrar apoio e serviços. O WhatsApp também é utilizado como ferramenta de denúncia de casos de violência. 

Desde o início do programa, os parceiros da sociedade civil alcançaram mais de 900.000 pessoas ao nível da comunidade com a ajuda de organizações locais como a Ophenta.

Com as escolas fechadas e o acesso aos serviços condicionado devido à COVID-19, as mulheres e raparigas correm maior risco de violência, mas têm menos oportunidades de denunciar abusos. 

As linhas de apoio e serviços de SMS gratuitos, tais como a Linha Fala Criança, a Linha Verde e o SMS Biz (uma plataforma de SMS), foram rapidamente reforçados e os seus operadores capacitados para lidar com casos de VBG.

Esses serviços estão agora disponíveis em todos os distritos-alvo do programa, o que permite às mulheres e raparigas denunciar casos de VBG e obter informação com segurança e rapidez. Operadores capacitados, tal como a Dalva, de 29 anos, residente em Maputo, salvam vidas ajudando jovens a prevenir gravidezes não planeadas, transmissão do HIV e uniões prematuras.

Melhores serviços e melhores dados estatísticos

Em resposta à necessidade de melhorar a qualidade dos serviços disponíveis para as sobreviventes de VBG, a Iniciativa Spotlight apoia o governo a realizar investimentos significativos nestes serviços.

Em 2020, foram distribuídas seis clínicas móveis para fornecer serviços básicos de saúde, de SSR e de resposta à VBG, bem como informações e encaminhamentos no seio de populações remotas. Estima-se que mais de 19.000 pessoas tenham sido alcançadas por estas clínicas. Foram ainda reabilitados, mobilados e equipados nove “Serviços Amigos dos Adolescentes e Jovens” (SAAJ), seis espaços de saúde direccionados para os jovens e três Centros de Atendimento Integrado às Vítimas de Violência (CAI).

Provedores de serviços recolhem dados sobre pacientes numa clínica móvel no Distrito de Chongoene, Província de Gaza. As clínicas móveis são cruciais para as mulheres e raparigas que não têm acesso a serviços e unidades de saúde. Foto: UNFPA Moçambique

O programa também melhorou o acesso aos serviços de VBG, SSR e aconselhamento, tendo beneficiado mais de 400.000 pessoas. Para garantir a qualidade desses serviços, mais de 2.000 funcionários do governo foram capacitados sobre legislação e serviços integrados de resposta à VBG.

Quando a Amina*, de 14 anos, sofreu violação sexual, ela contactou uma OSC local que trabalha na resposta à VBG em Nampula. Esta OSC encaminhou o caso da Amina para o CAI de Nampula. Uma vez lá, uma equipa integrada de profissionais de saúde, assistentes sociais, polícia e funcionários do sector da justiça ajudaram a Amina. Ela foi apoiada sem ter que repetir a sua história ou revisitar o seu trauma várias vezes. A equipa registou o caso numa ficha única, mantendo a confidencialidade, e encaminhou a Amina para um hospital onde ela recebeu cuidados essenciais.

Os serviços de justiça acompanharam o caso e, em resultado, o agressor da Amina foi condenado a 12 anos de prisão. “Quando as pessoas levam o caso até ao CAI, podem resolvê-lo sem qualquer problema”, disse Amina. Existem 24 CAIs em Moçambique, e a Iniciativa Spotlight ajudou a reabilitar três deles.

Carmen Omar, assistente social e coordenadora do CAI de Nampula, conversa com uma enfermeirade saúde materna e infantil na sala do departamento de saúde do CAI, onde as sobreviventes são assistidas e recebem cuidados médicos. Foto: UNFPA Moçambique/Roberto Manjate

Para melhorar a recolha de dados estatísticos, o governo testou o InfoViolência, um novo pacote de software para gerir casos de VBG. Este software fornece informações importantes sobre as tendências relacionadas com a VBG, o que contribui para priorizar intervenções, políticas e orçamentos em áreas onde as mulheres e raparigas mais precisam.

Fortalecendo a sociedade civil

As OSCs têm desempenhado um papel central na sensibilização das comunidades sobre práticas que discriminam contra as mulheres e raparigas. Com o apoio da Iniciativa Spotlight, mais de 40 organizações de mulheres em Moçambique foram fortalecidas para defender os direitos das mulheres. 

As OSCs também formaram 14 plataformas a nível distrital e provincial, o que permite que mais de 57 organizações baseadas na comunidade aprendam, partilhem experiências e encaminhem casos de VBG às autoridades locais, frequentemente usando o WhatsApp para acelerar os encaminhamentos.

Algumas destas organizações trabalham para capacitar mulheres vulneráveis ​​sobre empreendedorismo, poupança e acesso ao crédito. Mais de 1.800 dessas mulheres foram capacitadas e hoje gerem os seus próprios negócios.

“Aprendi a fazer sabão com produtos naturais que encontro na minha zona, o que diminui os meus custos de produção”, disse Helena, uma jovem da província de Manica. Ela aprendeu como gerir uma pequena empresa com o apoio de uma OSC apoiada pelo programa, e hoje ganha a vida a vender sabão. Ter acesso e controlo sobre os seus recursos dá a estas mulheres poder de decisão sobre as suas vidas, ajudando a prevenir a dependência económica e os abusos.

Uma parceria reforçada

Activista da sociedade civil sensibiliza a comunidade sobre a prevenção da VBG durante uma campanha de rua. Foto: ASCHA

Alguns desafios permanecem: a sociedade civil e as instituições governamentais que respondem à VBG estão mais fortes, mas a coordenação e a logística pelo vasto território nacional continuam a levantar desafios. Mudar as mentalidades e comportamentos em relação aos direitos das mulheres e raparigas leva tempo, mas continua a ser extremamente importante. Para o efeito, é fundamental uma parceria reforçada entre o Governo de Moçambique, a EU, a ONU e a sociedade civil.

A Iniciativa Spotlight continua a apoiar mulheres como a Maria*, de 25 anos, natural de Manica. A Maria foi agredida pelo marido durante a gravidez. Com a ajuda de activistas comunitários, ela encontrou segurança num abrigo para mulheres apoiado pelo programa. Neste abrigo, ela não só encontrou protecção, mas também aprendeu que as sobreviventes têm escolhas, quando são apoiadas. “Eu posso aproximar-me de outra mulher e dizer que ela não precisa sofrer. Aprendi que podemos denunciar abusos porque, se não falarmos, a violência nunca vai acabar.”

As histórias da Amina, da Dalva, da Denardina, do Guidion, da Helena, da Isaura, da Maria e da Selma recordam-nos que a violência contra as mulheres e raparigas pode ser desafiada. Atitudes e mentalidades podem mudar.

Sob a liderança do Governo, juntamente com a sociedade civil, a Iniciativa Spotlight continua a trabalhar lado a lado com homens e rapazes, mulheres e raparigas, por um Moçambique onde todas as mulheres e raparigas possam viver uma vida livre de violência.

* os nomes foram alterados para proteger a privacidade das sobreviventes

Image caption: 

Foto: UNICEF