Available in

MAPUTO, Mozambique - Eight girls sit on straw mats in a dusty courtyard in Gaza province, southern Mozambique. They share their stories about abuse, violence and overcoming trauma.  

Celeste*, 21, a young woman with a gentle smile, leads the group. Her story resonates with the other girls: “I have been through abuse and I know how much it hurts,” she says.

The group, called “Fala Minha Irmã” (Speak My Sister, in Portuguese), is a debate space promoted by Associação Sociocultural Horizonte Azul (ASCHA), a youth organization funded by the Spotlight Initiative. Within this group, girls and young women can safely share their experiences, learn about gender-based violence and break the silence on abusive relationships.

“I lived in constant fear. One day he beat me so hard that I could not speak for three days” – Celeste, 21, survivor of gender-based violence

Celeste was 16 when she started a relationship with a powerful man. After an initial happy phase, the relationship turned sour and she was afraid of his violent outbursts. 

“I lived in constant fear. One day he beat me so hard that I could not speak for three days,” Celeste says.

She tried to leave him several times. But every time she did, his anger worsened. He threatened to harm her family, tried to run her over with a car and repeatedly beat her. She was afraid of leaving the house and started missing school. 

Although she felt scared and resentful, Celeste gathered the courage to report him at the local police station. But when her partner found out about her intentions, he used his influence and wealth to impede her from reporting. Then, he kidnapped her, tried to rape her and threw her out of the car at speed. 

A group of girls and young women share their stories during the "Fala, Minha Irmã" debate space in Gaza Province. Photo: ASCHA

“I could not share this with my family,” says Celeste. 

Celeste shielded her family from the abuse she was suffering, even though they lived under the same roof. Following episodes of violence, she would often go to her sister’s house. She thought violence was normal. Exhausted and resigned to the situation, Celeste almost agreed marry her abusive partner just to appease him.

An unexpected turn of events

Having been linked to grassroots organizations for some time, Celeste received an invitation to join a training session on human rights and gender-based violence held by ASCHA with the support of Forum Mulher, another organization funded by the Spotlight Initiative. 

At the training, she learned about women’s rights and about the many forms that gender-based violence can take. 

She also realised that, according to the latest Demographic and Health Census (2011), she was among the one in three women in Mozambique who have suffered violence during their lives. The same study reveals that among these women, 61 per cent suffer violence at the hands of an intimate partner – also a statistic that Celeste could relate to.

During the training, participants were encouraged to share their experiences. Confidentiality was guaranteed. Celeste felt safe and opened up about her ordeal for the first time. 

“What I learned in the training motivated me to seek liberation," says Celeste.

From survivor to a powerful role model

At this point, things started to change. Members of ASCHA recognised the agony that Celeste was living in. They spoke to her, offered to escort her in the streets for protection and after some time invited her to become an activist. 

Celeste trained to become an activist and started participating in door-to-door campaigns to teach communities about preventing sexual gender-based violence and child marriage, as part of the “Consortium Against Sexual Violence” – a network of seven women’s organisations working to prevent sexual and gender-based violence under the Spotlight Initiative.

“What I learned in the training motivated me to seek liberation”– Celeste, 21, survivor of gender-based violence

Her former partner threatened her more times, but his threats became weaker and increasingly infrequent as he realised that Celeste was no longer afraid of him. He also understood that Celeste was emboldened with knowledge. She was empowered and protected by a network of women’s organizations working under a government-led programme, and her former partner finally left her alone.

“Today, I can walk the streets alone. I am no longer afraid," says Celeste.

However, Celeste’s aggressor never faced justice. 

Trauma, fear, the normalisation of violence and barriers in the access to support services prevent many survivors from reporting.

Underreporting remains a huge issue in Mozambique, as it does around the world. Global data suggests only four in ten women who experience violence seek help of any sort, and of these, only one in ten appeals to the police.

With support from the Spotlight Initiative, the government is training service providers and strengthening national institutions to ensure that cases of gender-based violence are properly followed up, survivors protected and perpetrators held accountable.

Activists spread messages on gender-based violence prevention with megaphoes through the streets of Xai Xai city in Gaza Province. Photo: ASCHA

In 2020, police school curricula were improved to include gender-based violence prevention and human rights as part of cadets’ training. Key institutions, such as the Supreme Court, the Attorney General’s Office and the Criminal Investigation Service have established Gender Units.

Over 1,000 staff from the justice sector are now trained to enforce a new package of laws approved by the National Parliament to protect women and girls from violence. This imporves the ability of formal justice to respond to gender-based violence cases and hold perpetrators to account. 

Meanwhile, Celeste continues to work as an activist. She leads the “Fala Minha Irmã” debate space, conducts awareness-raising campaigns and speaks about women’s empowerment on local radio programmes. Her fellow activists call her “Poderosa” (Powerful, in Portuguese). Since she joined ASCHA in 2019, Celeste has helped over 50 girls in vulnerable situations and inspired many more to claim their human rights. 

She is one among hundreds of activists working with over 20 civil society organizations under the Spotlight Initiative in Mozambique. Together, these activists have reached over 600,000 people with vital information about preventing GBV and child marriage. Little by little, they are contributing to a Mozambique where every woman and girl can live free from violence.

*name was changed

By Leovigildo Nhampule and Leonor Costa Neves

Language: 
Portuguese, International
Title: 
Quebrando o silêncio sobre a violência baseada no género em Moçambique
Body: 

MAPUTO, Moçambique – Oito raparigas sentam-se em esteiras de palha sob a sombra de uma árvore na província de Gaza, no sul de Moçambique. Elas partilham as suas histórias sobre abuso, violência e superação.

A Celeste*, uma jovem de 21 anos com um sorriso gentil, lidera o grupo. A sua história ressoa com as outras raparigas: “Eu já passei por abusos e sei o quanto dói”, disse ela.

O grupo, denominado “Fala Minha Irmã”, é um espaço de debate promovido pela Associação Sociocultural Horizonte Azul (ASCHA), uma organização juvenil financiada pela Iniciativa Spotlight. Neste grupo, as raparigas e jovens mulheres podem partilhar as suas experiências em segurança, aprender sobre a violência baseada no género e quebrar o silêncio sobre relacionamentos abusivos.

“Eu vivia com medo constantemente. Um dia ele bateu-me com tanta força que não consegui falar durante três dias” - Celeste, sobrevivente de violência baseada no género

A Celeste tinha 16 anos quando começou um relacionamento com um homem poderoso. Depois de uma fase inicial feliz, o relacionamento mudou, e a Celeste começou a ter medo das explosões violentas do seu parceiro, que eram cada vez mais frequentes.

“Eu vivia com medo constantemente. Um dia ele bateu-me com tanta força que não consegui falar durante três dias”, disse a Celeste.

Ela tentou deixá-lo várias vezes. Mas cada vez que ela o fazia, a raiva do seu parceiro piorava. Ele ameaçou fazer mal à família da Celeste, tentou atropelá-la com e espancou-a repetidamente. A Celeste tinha medo de sair de casa e começou a faltar à escola.

Embora se sentisse assustada e ressentida, a Celeste reuniu coragem para denunciar o seu agressor na esquadra. Mas quando o seu parceiro descobriu as suas intenções, ele usou a sua influência para impedi-la de denunciar o caso. Depois, raptou-a, tentou violá-la e empurrou-a para fora do carro em andamento.

“Eu não podia contar isto à minha família”, disse a Celeste.

Um grupo de raparigas e jovens mulheres partilha as suas histórias durante uma sessão do espaço de debate "Fala Minha Irmã", na província de Gaza. Foto: ASCHA

A Celeste protegia a sua família do abuso que vinha sofrendo, embora vivessem sob o mesmo tecto. Por vezes, após episódios de violência, ela ia para a casa da sua irmã. A Celeste acreditava que a violência era normal. Exausta e conformada com a situação, considerou atá casar-se com o agressor, apenas para apaziguá-lo.

Uma mudança inesperada

Tendo estado ligada a organizações da sociedade civil há algum tempo, um dia a Celeste recebeu um convite para participar numa sessão de formação sobre direitos humanos e violência baseada no género, organizada pela ASCHA  com o apoio do Fórum Mulher, outra organização financiada pela Iniciativa Spotlight.

Na formação, ela aprendeu sobre os direitos das mulheres e sobre as muitas formas que a violência baseada no género pode assumir.

Ela também percebeu que, de acordo com o último Inquérito Demográfico e de Saúde (2011), ela se encontrava entre as uma em cada três mulheres em Moçambique que sofrem violência durante a vida. O mesmo estudo revela que, entre essas mulheres, 61% sofrem violência pelas mãos de um parceiro íntimo – outra estatística com que a Celeste pôde identificar-se.

Ainda durante a formação, as participantes foram incentivadas a partilhar as suas experiências, de forma confidencial. A Celeste sentiu-se segura e se abriu-se sobre a sua situação pela primeira vez.

“O que aprendi na formação motivou-me a procurar a libertação”, disse a Celeste.

De sobrevivente a exemplo poderoso

Nessa altura, as coisas começaram a mudar. As activistas ASCHA reconheceram a extrema agonia em que a Celeste vivia. Falaram com ela, ofereceram-se para acompanhá-la nas ruas para sua protecção e, após algum tempo, convidaram-na para ser activista. 

A Celeste recebeu formação como activista e começou a participar em campanhas porta-a-porta para ensinar as comunidades a prevenir a violência baseada no género e uniões prematuras, no âmbito do “Consórcio Contra a Violência Sexual” – uma parceria entre sete organizações de mulheres que trabalham para prevenir a violência sexual e baseada no género sob a Iniciativa Spotlight.

“O que aprendi na formação motivou-me a procurar a libertação” - Celeste, sobrevivente de violência baseada no género

O seu ex-parceiro ameaçou-a mais algumas vezes. Mas as ameaças foram-se tornando mais raras, à medida que ele entendeu que a Celeste não tinha mais medo dele. Ele também entendeu que a Celeste estava empoderada com conhecimento e protegida por uma rede de organizações de mulheres que trabalham sob um programa liderado pelo governo e, gradualmente, deixou-a em paz.

“Hoje posso caminhar pela rua sozinha. Não tenho medo”, disse a Celeste.

No entanto, o seu agressor nunca enfrentou a justiça.

Trauma, medo, normalização da violência e barreiras no acesso aos serviços de apoio impedem muitas sobreviventes de denunciar.

O baixo número de denúncias continua a ser um grande problema em Moçambique, assim como em todo o mundo. Dados globais sugerem que apenas quatro em cada dez mulheres que sofrem violência procuram ajuda de qualquer tipo e, dessas, apenas uma em cada dez apela à polícia.

Com o apoio da Iniciativa Spotlight, o governo está a capacitar provedores de serviços e a fortalecer as instituições nacionais, para garantir que os casos de violência denunciados sejam devidamente acompanhados, as sobreviventes protegidas e os agressores responsabilizados.

Activistas disseminam mensagens sobre prevenção da violência baseada no género com megafones pelas ruas da cidade de Xai Xai, na província de Gaza. Foto: ASCHA

Em 2020, os currículos das escolas de polícia foram revistos para incluir a prevenção da violência baseada no género, HIV/SIDA e direitos humanos como parte da formação dos cadetes. Instituições-chave, como o Tribunal Supremo, a Procuradoria Geral da República e o Serviço Nacional de Investigação Criminal estabeleceram Unidades de Género específicas.

Mais de 1.000 funcionários do sector da justiça foram treinados para implementar um novo pacote de leis aprovado pela Assembleia da República, que protege as mulheres e as raparigas da violência. Isto garante uma melhor capacidade da justiça formal para responder a casos de violência e responsabilizar os agressores.

Entretanto, a Celeste continua a trabalhar como activista. Ela dinamiza o espaço de debate “Fala Minha Irmã”, realiza campanhas de conscientização e fala sobre empoderamento das mulheres em programas de rádio locais. As suas companheiras activistas a chamam-na “Poderosa”. Desde que ingressou na ASCHA em 2019, a Celeste já ajudou mais de 50 raparigas a superar situações vulneráveis ​​e inspirou muitas mais a reivindicar os seus direitos.

Ela é uma entre centenas de activistas que trabalham com mais de 20 organizações da sociedade civil sob a Iniciativa Spotlight em Moçambique. Juntos, estes activistas alcançaram mais de 600.000 pessoas nas comunidades com informações vitais sobre a prevenção da violência baseada no género e as uniões prematuras, nos últimos dois anos. Pouco a pouco, eles estão contribuindo para um Moçambique onde todas as mulheres e raparigas possam viver livres da violência.

*o nome foi alterado para proteger a privacidade da sobrevivente 

A Iniciativa Spotlight é uma parceria global entre a União Europeia (UE), as Nações Unidas (ONU) e governos anfitriões, para eliminar todas as formas de violência contra as mulheres e raparigas. Em Moçambique, a Iniciativa é liderada pelo Ministério do Género, Criança e Acção Social (MGCAS), e trabalha com organizações como a ASCHA para apoiar mulheres e raparigas marginalizadas e vulneráveis à violência. A Iniciativa é implementada durante um período de quatro anos (2019-2022) com um orçamento de 40 milhões de dólares, disponibilizado pela UE. A iniciativa foca-se nas áreas prioritárias de combate à violência sexual e baseada no género e às uniões prematuras, bem como na promoção dos direitos sexuais e reprodutivos das mulheres e raparigas.

Por Leovigildo Nhampule e Leonor Costa Neves